Álcool Antisséptico


Álcool Antisséptico, Por Que Ele é Um Importante Aliado Neste Momento de Pandemia?

Você nunca ouviu falar tanto em álcool antisséptico em gel 70% e álcool líquido 70% higienizador, quanto nesse grave momento de pandemia da Covid-19. Mas afinal, para que serve o álcool antisséptico? Esse é um produto indicado para higienização e para a ajuda na cura de cortes e ferimentos. Por exemplo, se uma pessoa tem uma ferida superficial, esse tipo de produto é bastante recomendado para a limpeza do machucado. Também pode ser utilizado para a limpeza prévia de locais em geral e partes do corpo a serem higienizadas. No caso do Coronavírus, existe um tipo de álcool específico para o combate a essa doença que é o álcool 70%.

 

Álcool Antisséptico e Mudança de Hábitos

Uma pesquisa realizada pela Qualibest e divulgada pelo site especializado em marketing, Mundo Marketing, revela que o consumo de álcool em gel amentou 67% em 12 dias no mês de março seguido pelo álcool líquido que aumentou seu consumo em 53% Isso mostra a importância dos dois produtos em plena época pandêmica. Ainda, segundo o mesmo site, 85% das pessoas mudaram seus hábitos de higienização, porém, apesar de todos os alarmes a respeito dos perigos da doença, 15% ainda disseram manter os mesmos costumes de antes da pandemia, sem se preocupar com o tema.

 

Qual o Tipo de Álcool Mais Indicado Para o Combate ao Coronavírus?

Existem vários tipos de álcool antisséptico. Os mais indicados para o combate ao Coronavírus são o álcool líquido higienizador 70% e o álcool antisséptico em gel, ou seja, aqueles que contém 30% de água e 70% de álcool. Com esses produtos você tem mais eficácia no momento de erradicar os germes responsáveis pela doença.

Abaixo os tipos mais comuns de álcool e suas indicações

TIPO INDICAÇÃO
Álcool abaixo de 68% ou acima de 72% Limpeza de superfícies em geral
Álcool entre 68 e 72% Graduação ideal para realizar desinfecção
Álcool acima de 92,8 ou mais Indicado como solvente industrial

 

Porque Usar Álcool Antisséptico em Gel é Mais Eficaz Que Usar o Álcool Comum?

Numa época em que vivemos reclusos, autoridades nacionais e internacionais de Saúde, como Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais (SES – MG), o Conselho Federal de Química (CFQ), o Ministério da Saúde do Brasil (MS) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendam esse tipo de produto para desinfetar as mãos, embora lavá-las com água e sabão seja o mais indicado. A limpeza com álcool em gel é uma alternativa na impossibilidade de uso de água e sabão

Mas será que isso tem comprovação científica? A resposta é sim! Estudos e pesquisas realizadas desde o início do século XX comprovam esse fato. O álcool caracteriza-se por ser um produto microbicida com características antissépticas e desinfetante. Para que ele consiga desempenhar sua atividade antimicrobiana é necessário que haja uma correlação entre peso ou volume em relação a água. Por isso que a fórmula 70% é a mais indicada. Lá o cliente irá encontrar a quantidade exata de água para facilitar a entrada do álcool no interior do microrganismo. Ele pode ser: bactéria, fungo ou vírus, como o Coronavírus, que ficou conhecido recentemente.

 

Porque Isso Ocorre?

Isso acontece porque a água, além de impedir a desidratação da parede celular externa do microrganismo atrasa a evaporação do álcool permitindo maior tempo de contato para que haja maior penetração deste produto no interior do microrganismo, resultando em sua autodestruição.

 

Quais as vantagens do álcool em gel?

Duas características qualificam-se como mais propícias para higienizar as mãos com a fórmula em gel: A primeira delas é para que haja maior segurança, em caso de um acidente, por não se espalhar rápido como a química líquida, evitando um possível incêndio. A segunda é que o produto pode conter um composto hidratante em sua composição o que ajuda a evitar o ressecamento da pele.

Álcool Gel 70 %

 

Engana-se Quem Pensa Que Álcool Com Graduação Acima de 70% é Mais Forte, Portanto, Mais Eficaz Contra o Coronavírus

Relembrando que se a fórmula vier na proporção de superior a 70%, mas não tiver água ou tiver H2O em baixa quantidade, o microrganismo desidrata e não morre. Álcoois concentrados em 99,6% (absoluto) ou o 92,8% utilizado como composição em fórmulas cosméticas ou solventes de outros produtos, são ineficazes contra a Covid-19 porque evaporam rapidamente.

O mesmo se pode dizer sobre o álcool de posto, o etanol que serve como combustível, ele tem concentração acima de 90% e pode ter a presença de outros componentes como o metanol e hidrocarbonetos que são bastante tóxicos podendo causar irritações nos olhos entre outros incômodos.

Também os álcoois com concentração inferior a 70% apresentam ineficácia porque não tem poder para eliminar microrganismos, como o Coronavirus. Ele serve somente para limpeza em geral.

 

Como Usar?

Normalmente aplica-se uma ou duas borrifadas do produto esfregando-o bem. Sempre que utilizá-lo, verificar se atingiu tanto a as partes interiores e exteriores das mãos, quanto os dedos; normalmente deixados de lado. Deixar que o líquido seque sozinho com o intuito de matar as bactérias.

 

Mas Álcool em Gel é Tudo Igual?

Não. Por isso é necessário ficar atento: A formulação de álcool em gel, normalmente é transparente, com leve turbidez causada por bolhas de ar. Se o álcool gel estiver muito turvo e com coloração acinzentada ou amarronzada, fique atento, pois isso pode indicar falhas no processo de fabricação e qualidade. É permitido acrescentar algum corante na formulação, com a finalidade de se diferenciar de outros produtos, mas esta prática é pouco utilizada no mercado. A adição de perfume não é recomendada, pois pode provocar alergias. O álcool em gel pode conter substâncias que reduzem o efeito de ressecamento. A melhor formulação de álcool em gel é aquela que contém glicerina, usada como umectante para evitar ressecamento da pele e combustão, além de algum aditivo ou extrato que auxilia na hidratação, como por exemplo, o extrato de aloevera

 

Você Sabia que a Venda do Álcool 70% Líquido Havia Sido Proibida Pela Anvisa?

Em 2002 a Anvisa proibiu a comercialização de álcool líquido com graduação superior a 46%, devido ao alto índice de acidentes domésticos que ocorriam na época, limitando seu uso exclusivamente a laboratórios e hospitais. Após a proibição, a Sociedade Brasileira de Queimaduras concluiu que houve redução de 60% dos casos de acidentes com álcool por ano.

Recentemente, a Anvisa voltou a liberar a comercialização deste produto ao consumidor final em embalagens de até 1 litro, por conta da Pandemia, a fim de evitar o desabastecimento do mercado. Porém, esta resolução estava limitada a 180 dias após sua publicação que foi em março de 2020.

Ainda recomendou que se redobrassem os cuidados com o produto, mantendo-o fora do alcance das crianças, por causa do risco de queimaduras, mas também pelo risco de ingestão.

Álcool Liquido 70 %

Conclusão:

Existem várias graduações de álcool em gel e álcool líquido no mercado, mas nem todas são eficazes para a desinfecção e eliminação de vírus, bactérias e outros microrganismos. Apenas o álcool com graduação 70% cumpre esta função e pode trazer segurança no combate ao Coronavírus.

O uso contínuo do álcool antisséptico líquido ou em gel pode causar o ressecamento da pele, por isso, é mais recomendável que se lave as mãos constantemente com água e sabão. O álcool deve ser usado apenas como alternativa na ausência da possibilidade de se lavar as mãos.

Existem composições de álcool em gel com componentes emolientes e hidratantes, que ajudam a evitar o ressecamento da pele. Busque na rotulagem do produto a presença de glicerina e aloevera. A Feitiços tem diversas opções de embalagens de álcool 70%, todos com glicerina e aloevera em sua composição. Os produtos tem registro na Anvisa e a confiabilidade que você precisa para manter sua família protegida.

Cuidado! O álcool líquido é altamente inflamável e pode provocar acidentes graves. Mantenha sempre fora do alcance das crianças.

 

 

 

1197645-0921