14/06/2022

Saúde: entenda o que é HPV | Feitiços

SAIBA O QUE É, QUAIS OS SINTOMAS E COMO TRATAR O HPV

Você sabia que cerca de 80% das mulheres sexualmente ativas entrarão em contato com o HPV? É o que aponta o INCA, Instituto Nacional do Câncer.

Esse percentual nos reforça que falar sobre sexo, também é falar sobre saúde e, por isso, nesse post a Feitiços quer te contar um pouco mais sobre o HPV e a importância de ficar atenta aos sinais e sintomas!

 

O QUE É HPV?

HPV é a sigla em inglês pelo qual o Papilomavírus Humano é mais comumente conhecido. Essa é uma infecção que é transmitida sexualmente através do contato pele a pele. Ela infecta principalmente a região cutânea do organismo e mucosas como o interior da boca, da garganta, da faringe do ânus, da vulva, do pênis e da vagina.

O HPV não é uma doença única, isso significa que existem diversos tipos do vírus que podem se manifestar de maneira mais branda ou mais grave e desencadear uma doença ou evolução diferente em cada paciente.

Na comunidade médica, estima-se que a maior parte das variações do HPV seja capaz de causar lesões que são consideradas precursoras do câncer. Ou seja, uma vez que uma pessoa foi infectada com HPV, ele poderá, no futuro, ter maior chance de desenvolver câncer nas áreas onde o vírus se instalou.

Mas vamos com calma! Antes de se assustar, vale lembrar que essas são informações importantes de ter conhecimento, mas não devem ser motivo de desespero caso haja desconfiança de ter entrado em contato com vírus. Na verdade, a ideia desse post é prevenir e conscientizar para que a infecção não progrida para um caso mais grave.

 

COMO O HPV É TRANSMITIDO?

Como já vimos no início do artigo, o HPV é uma infecção muito comum. A transmissão é feita principalmente através da relação sexual sendo que essa transmissão pode ser feita mesmo sem penetração (a infecção acontece desde o contato pele com pele), para diminuir esse risco o preservativo é indispensável.

Também é importante saber que a transmissão pode acontecer mesmo se não houver nenhuma lesão (verrugas) aparente. 

Um outro boato que corre por aí é que a infecção pode ser transmitida através do compartilhamento de objetos, como roupas íntimas e toalhas, mas por enquanto, não existe nenhuma evidência científica que comprove essa hipótese.

 

QUAIS OS SINTOMAS DO HPV?

Normalmente, os sintomas do HPV incluem lesões na pele de característica benigna, como verrugas pequenas quase que imperceptíveis e com aspecto parecido com crista de galo ou couve-flor.

Os locais mais comuns dessas lesões são a região da vulva, a vagina, colo do útero, região perianal, ânus, pênis (geralmente na glande), bolsa escrotal e ou na região pubiana.

As manifestações menos comuns das lesões se encontram em mucosas nasais, orais e laringe.

Um dado importante sobre esse vírus é que essas manifestações costumam ser mais comuns em gestantes e indivíduos com a imunidade baixa, mas podem surgir em qualquer pessoa. Além disso, o HPV pode se manifestar estando associado a doenças malignas, como o câncer.

Mas atenção: apesar de ter uma alta relação com o câncer de colo de útero, ânus, orofaringe e boca, a maioria das pessoas com HPV não terá câncer. Isso porque, as pessoas que têm esse vírus e acabam evoluindo para um câncer possuem essa evolução de forma lenta, durando cerca de 10 anos.

É muito comum que quem tenha as verrugas ou já teve contato com o vírus acredite que terá, em algum momento, câncer relacionado ao HPV, o que é um mito. O que acontece é que existem mais de 150 subtipos da infecção sendo o subtipo que causa a verruga diferente do que causa o câncer.

 

COMO É FEITA A PREVENÇÃO?

Para se prevenir do HPV de maneira efetiva o mais indicado é a vacinação. A vacina protege entre 2 a 9 subtipos do vírus, sendo capaz de prevenir até 90% dos casos de câncer de colo do útero. Ela é indicada para meninas a partir dos 9 anos e meninos a partir dos 11 anos, pois nessa idade há uma boa resposta e imunológica e essas crianças normalmente não tiveram atividade sexual, logo, não entraram em contato com o vírus.

Outra maneira de previnir-se do HPV é utilizar preservativo durante as relações sexuais, mesmo ainda existindo a possibilidade de transmissão em áreas não cobertas pela camisinha.

Para mulheres entre 25 e 64 anos, é necessário fazer o exame de rastreamento de câncer de colo de útero, o papanicolau. Também conhecido como preventivo, é com esse exame e consultas de rotina que se houver vestígio da doença, o tratamento será mais eficiente.

 

O HPV TEM CURA?

O tratamento do HPV é feito através da retirada das lesões (cirurgias simples ou curetagem). Essas lesões podem ou não voltar, por isso a importância de fazer o acompanhamento e o exame preventivo uma vez que o diagnóstico de HPV é comprovado.

Em alguns casos, também é recomendado o uso de cremes tópicos, que são aplicados na região onde as lesões clínicas estão visíveis. Geralmente, uma infecção por HPV dura de um a dois anos e após esse período o paciente é considerado curado.

Para evitar que as lesões voltem, procure ter uma alimentação saudável, pratique exercícios, cuide da imunidade e evite o estresse e a ansiedade.

 

 

O HPV é uma IST (Infecção Sexualmente Transmissível) muito comum mas consideravelmente grave. Para se ter uma ideia, estima-se que 1 a cada 4 mulheres tenha HPV. Já entre o público masculino esse percentual dobra, sendo que 1 a cada 2 homens têm o vírus.

Mas apesar de ser uma infecção silenciosa o HPV tem uma progressão lenta, o que aumenta as chances de tratamento e evita a evolução para um quadro mais grave.

Fazer um acompanhamento com um médico especialista, prestar atenção nos sinais que o corpo dá e principalmente, usar preservativo nas relações sexuais, fazem toda a diferença para evitar a infecção e transmissão desse vírus.

Por isso, deixamos um último recado: visite seu médico e caso o diagnóstico seja confirmado, não se desespere. Há muita possibilidade de tratamento e você não está sozinha!

Conhecimento e saúde nunca são demais, não esqueça de compartilhar esse artigo e ajudar na prevenção do HPV.

 
11 2286.3008